Notícias do RN

Polícia

Video News

Crédito da Foto: Assessoria de Comunicação



Diante da pandemia do Coronavírus em todo o mundo que alterou as atividades no Poder Público, 10 municípios do Rio Grande do Norte encaminharam à Assembleia Legislativa a documentação solicitando aprovação do decreto de calamidade pública. A lista atualizada até 12h de ontem, sexta-feira (3) inclui Apodi, Serra Caiada, Ceará-Mirim, Extremoz, Felipe Guerra, São Rafael, Pau dos Ferros, Santa Cruz, Serra do Mel e Doutor Severiano.

O Plenário do Legislativo Potiguar apreciará nas próximas sessões os projetos de Decretos Legislativos referentes aos municípios por meio de sessão remota do legislativo potiguar, através do Sistema de Deliberação Remota (SDR). As sessões remotas começam na próxima terça-feira (7).

Os Projetos de Decretos Legislativos são apreciados e consequentemente aprovados ou rejeitados. Após essa etapa, a Assembleia elabora o decreto e publica no Diário Oficial Eletrônico.

O legislativo potiguar continua recebendo a documentação no e-mail secleg@al.rn.leg.br para tramitação dos expedientes remetidos. 

Os passageiros excedentes foram remanejados para outros ônibus

Foto/Divulgação

Dois ônibus intermunicipais foram abordados no início da noite desta sexta-feira (3). A Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Departamento de Estradas e Rodagens (DER/RN) realizaram a ação na unidade operacional de Macaíba, na BR-304.

Um dos transportes fazia a linha de Natal para Nova Cruz/RN e o outro, de Natal para a cidade de Lajes Pintada, na região Trairi do Estado. Os dois veículos estavam transportando pessoas em pé, infringido o Decreto nº 29.583/20, do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, que limita o número de passageiros ao número de cadeiras existente no veículo.

Os passageiros excedentes foram remanejados para outros ônibus. Já os motoristas foram detidos e irão responder judicialmente por infringir determinação do poder público, destinada a impedir propagação de doença contagiosa.

Drama!


DEVIDO À PANDEMIA DE CORONAVÍRUS,
CATADORES ESTÃO SEM TRABALHO E RENDA EM NATAL

Para que 352 famílias desta categoria possam ter o mínimo para sobreviver durante este período sem trabalhar, a organização Visões da Terra criou uma campanha de financiamento coletivo 

Os catadores de materiais recicláveis de Natal atualmente passam por uma situação dramática. Embora seja fundamental para o meio ambiente, o serviço de coleta seletiva não foi considerado essencial pelas prefeituras, nas medidas tomadas por conta da pandemia de coronavírus (Covid-19), que já vitimou mais de duas centenas de pessoas no país.

Desta maneira, os catadores que tiram seu sustento do material que a população joga fora estão impedidos de trabalhar. Além disso, as poucas cooperativas que estão operando parcialmente têm que lidar com o medo do vírus, já que a triagem dos materiais recicláveis é manual e há risco de contaminação. Há ainda o agravante de que grande parte dos profissionais integra o grupo de risco: idosos e pessoas com doenças associadas.

Para amenizar parte desta dificuldade vivida por estes profissionais fundamentais para a preservação do meio ambiente, a organização Visões da Terra, consultoria em sustentabilidade que há 11 anos realiza apoio técnico a cooperativas de catadores, abriu uma campanha de financiamento coletivo, que pode ser acessada no site https://www.vakinha.com.br/vaquinha/renda-minima-para-352-catadores.

“Sabemos do risco que é lidar com o resíduo, ainda mais neste momento de grave crise na saúde. Porém, 352 famílias com quem trabalhamos diretamente, em seis estados brasileiros, ficaram sem renda. São várias as dificuldades, que vão desde o fechamento de cooperativas em algumas cidades, como Natal, passando até mesmo pelo material que já havia sido recolhido em estoque estar sem comprador neste período de quarentena”, explica Luciana Lopes, uma das fundadoras da Visões da Terra.

A campanha busca garantir uma renda emergencial de R$ 100,00 para cada trabalhador como primeira meta. A segunda é garantir R$ 200,00 para cada e a terceira, R$ 300,00, até que seja possível retomar as atividades ou sejam recebidos recursos via poder público.

Rio Grande do Norte - Os valores serão repassados integralmente às 19 cooperativas que contam com o apoio da Visões da Terra. Em Natal, a organização trabalha em parceria com a Coopcicla, totalizando 33 famílias de catadores. Já na cidade de São Gonçalo do Amarante, na região metropolitana, são mais 53 famílias da Cooresga, totalizando 86 famílias. Atualmente a campanha nacional já arrecadou R$ 11.382,00, da meta de R$ 115.600,00. Portanto, a ajuda da sociedade civil se torna urgente.

“Estamos também monitorando e contribuindo para organizar politicas públicas de renda mínima, mas a nossa maior preocupação é fazer com que os catadores sobrevivam e possam levar comida para suas casas, enquanto os projetos de lei para a renda da população não são aprovados. O tempo das leis é diferente do tempo da fome”, avalia Oriana Rey, sócia da Visões da Terra.

VISÕES DA TERRA

Consultoria em sustentabilidade com sedes no Rio de Janeiro e São Paulo, é responsável pela implementação do Programa Dê a Mão para o Futuro em Natal (CE), além de projetos em outros oito estados no Brasil. Mais informações: http://www.visoesdaterra.com.br/.
Prefeitura determina novas regras para realização das feiras livres


O prefeito de Natal, Álvaro Dias, assinou na tarde de ontem, sexta (03), um decreto com novas regras para a realização das feiras livres na capital potiguar, durante o período de enfrentamento da pandemia decorrente do novo coronavírus (Covid-19). Com a publicação do Decreto nº 11.933, fica revogada a Portaria nº 031/2020 da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur).

Segundo o decreto, as feiras livres tiveram seus horários reduzidos e passam a acontecer, já a partir deste sábado (04), das 5h às 13h. Fica permitida a instalação de até duas bancas por família e a presença de um feirante por banca, que poderá ser permissionário, familiar empregado ou colaborador. Além disso, deverá ser respeitado o espaçamento mínimo de dois metros entre cada conjunto de bancas.

Os feirantes deverão realizar a limpeza e a higienização das bancas, utensílios e produtos comercializados; bem como disponibilizar aos clientes produtos de higienização do tipo álcool em gel 70%. O decreto determina ainda que fica proibida a participação de feirantes na condição de gestante e/ou lactante, dos maiores de 60 anos e dos acometidos de comorbidades ou doenças crônicas.

Equipes da Semsur e Semurb vão fiscalizar a montagem, realização e desmontagem das feiras. A Urbana fica responsável pela limpeza dos locais após a desmobilização das feiras. Caberá à Guarda Municipal apoiar os órgãos municipais para o efetivo cumprimento das medidas e ações estabelecidas.

O Decreto nº 11.933 está disponível na edição extra do Diário Oficial do Município de ontem, sexta-feira (03).

RELAÇÃO DAS FEIRAS LIVRES DE NATAL

SEGUNDA-FEIRA: 5h às 13h

- Rocas (Zona Leste) - Rua São Pedro e Lions Clube (Travessa São Pedro)

TERÇA-FEIRA: 5h às 13h

- Felipe Camarão (Zona Oeste) - Rua Santa Cristina e Tv. Nossa Senhora do Rosário
- Igapó (Zona Norte) - Rua Nossa Senhora do Ó e Rua Bela Vista

QUARTA-FEIRA: 5h às 13h

- Aliança (Zona Norte) - Rua dos Portugueses e Tv. Heitor Lopes Cardoso
- Carrasco (Zona Leste) - Rua dos Paianazes

QUINTA-FEIRA: 5h às 13h

- Cidade Praia (Zona Norte) - Rua Araruna
- Panorama (Zona Norte) - Av. das Oliveiras
- Planalto (Zona Oeste) - Rua Serra da Jurema

SEXTA-FEIRA: 5h às 13h

- Parque dos Coqueiros (Zona Norte) - Av. das Seringueiras

SÁBADO: 5h às 13h

- Alecrim (Zona Leste) - Rua Presidente Quaresma
- Pajuçara (Zona Norte) - Rua Dr. Vicente Carvalho
- Santa Catarina (Zona Norte) - Rua Serra Negra

DOMINGO: 5h às 13h

- Cidade da Esperança (Zona Oeste) - Av. Perimetral Leste
- Felipe Camarão (Zona Oeste) - Rua Nossa Senhora do - Livramento (Continuação da Rua da Tamarineira)
- Gramoré (Zona Norte) - Rua Itapetinga (trecho conhecido por Rua Marialva)
- Lagoa Seca (Zona Sul) - Rua São José
- Mãe Luíza (Zona Leste) - Rua João XXIII
- Nova Natal (Zona Norte) - Av. da Chegança e Rua Do Pastoril
- Nova República (Zona Norte) - Rua Itororós
- Pirangi (Zona Sul) - Av. Miguel dos Caribes
- Quintas (Zona Leste) - Rua Pedro Novoa
Crédito da Foto: João Gilberto

A deputada estadual Eudiane Macedo (Republicanos) está destinando R$ 500 mil em emendas impositivas do Orçamento Geral do Estado (OGE) 2020 para a Secretária Municipal de Saúde de Natal investir em ações de combate à Covid-19.

A parlamentar se soma aos esforços de todos os poderes visando fortalecer a retaguarda da saúde pública diante da pandemia do Coronavírus. "Enquanto deputada, tenho junto com nossa equipe, estudado meios de minimizar os efeitos do Coronavírus tanto no sistema de saúde do Rio Grande do Norte como também na economia. Por isso, estamos destinando recursos para Natal, que concentra o maior número de casos até agora", afirmou a parlamentar.

Eudiane Macedo também destaca a importância de criar condições para diminuir os danos que o vírus pode causar à população como, por exemplo, ficar em casa, reduzir o contato social o que, consequentemente, reduzirá as chances de transmissão do vírus, que é alta se comparado a outros Coronavírus do passado. “Estamos todos fazendo a nossa parte, enquanto cidadão, evitando sair de casa para restringir a circulação do novo vírus”, fala a deputada reforçando os cuidados em relação ao vírus.

A parlamentar ressalta que os vírus respiratórios se espalham pelo contato, por isso a importância da prática da higiene frequente, a desinfecção de objetos e superfícies tocados com frequência, como celulares, brinquedos, maçanetas, corrimão, são indispensáveis para a proteção contra o vírus. Até mesmo a forma de cumprimentar o outro deve mudar, evitando abraços, apertos de mãos e beijos no rosto. Essas são as maneiras mais importantes pelas quais as pessoas podem proteger a si e sua família de doenças respiratórias, incluindo o Coronavírus. 
Chuvas interferem na substituição de registros na Zona Norte, que afeta quatro bairros 


As equipes de operação da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) trabalham incansavelmente desde quinta-feira (02), incluindo a madrugada de sexta-feira (03), para substituir dois registros de grande porte que apresentaram vazamento na Zona Norte, cada peça pesa aproximadamente 1 tonelada.

O serviço está provocando o desabastecimento dos bairros de Lagoa Azul, Potengi, Redinha e conjunto Pajuçara. Porém, as fortes chuvas da noite passada atrapalharam a execução do serviço realizado pela Caern.

A previsão de conclusão, que era o último dia (02), passou a para este sábado (04). Porém, após religado o sistema, serão necessárias até 72 horas para que a rede seja totalmente pressurizada para atender a todos os imóveis, ou seja, até terça (07).

O motivo é que os locais onde os registros estão sendo substituídos são profundos e recebem grande volume de água de chuva, que desemboca na rede de drenagem, e também possuem postes de energia elétrica. Ou seja, além de deixar a região úmida e escorregadia, representando um risco para as equipes, tendo que ser feito um escoramento para continuidade do trabalho, também foi necessário acionar a concessionária de energia elétrica para dar suporte no local.

Estes vazamentos inesperados, necessitaram da intervenção urgente, e para isso foram paradas a zona 16 o reservatório – 8, que abastecem os quatro bairros citados. Todos os esforços estão sendo envidados para que o trabalho seja concluído o quanto antes, pois a Companhia entende a importância, mais do que nunca, de manter o abastecimento para todos.

Porém, tecnicamente não há outra alternativa que não seja substituir os registros e evitar novos vazamentos nestes mesmos locais. As equipes estão dedicadas e cientes da importância de solucionar o problema no menor prazo possível.

COMPLEXIDADE

Para se ter uma ideia da complexidade dos registros, são redes de 400 mm e 500 mm, respectivamente, muito pesados e envolvem corte de tubulações de grande diâmetro, a montagem e a instalação desses registros no local do anterior.

“Toda intervenção desse porte é muito complexa. Tecnicamente não dá para acontecer com rapidez, pode levar mais de um dia, principalmente, com a mudança de condições climáticas”, explica o gerente de manutenção de água da região norte, Leonardo Figueiredo. “É fundamental o apoio da população, a equipe está toda comprometida para solucionar”, complementa. Neste sentido, a Caern também tem mantido contato com os líderes comunitários das regiões afetadas, explicando a situação e pedindo o apoio para compreensão da população. 



REDAÇÃO CAERN
O empresário Raphael Freire, de 39 anos, ficou assustado após ser diagnosticado com Covid-19 e ver que outros nove integrantes de sua família começaram a apresentar os mesmos sintomas. 


Hoje com a família já recuperada dos sintomas, Raphael afirmou que a sua maior preocupação foi com a saúde de sua avó de 90 anos, que também recebeu resultado positivo para o exame. 

“Ela teve febre, dor de cabeça e a gente levou ela para o hospital. Fizeram tomografia e constatou que ela estava com infiltração do vírus nos dois pulmões. Ela voltou para casa, ficou três dias, mas passou mal com falta de ar. Ela ficou internada por quatro dias e já está em casa curada”, disse Raphael Freire, neto da dona Amaci Nascimento.

O morador de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, afirmou ao G1 que todos os parentes já estão em casa. Ele supõe ainda que foi infectado pela gerente de sua loja, que passou carnaval no Nordeste e teve contato com turistas estrangeiros.

“A gente foi infectado pela minha gerente. Ela foi passar o carnaval em Porto de Galinhas e teve contato com muitos turistas. O marido dela já voltou ruim da viagem. Ele tinha diarreia, febre, dor no corpo. Como ela é minha gerente, ela levou para a nossa loja. Eu e minha esposa pegamos e passamos para a família toda no fim de semana”, contou Raphael.

“Eu comecei a sentir os sintomas no dia 15 de março. Sentia febre, um calafrio forte, dor de cabeça e falta de ar. Eu fui para o Hospital Icaraí, fizeram exame e foi constatado coronavírus. Quando eu saí, minha avó entrou no hospital. A minha preocupação maior era a idade dela. A gente ficou com ansiedade. Mas depois de dois dias na UTI, ela saiu para o quarto”, completou.

'Recuperação surreal'

O primo de Raphael, Allan Nascimento, afirmou que esteve em contato com todos durante um aniversário da família, mas não contraiu o novo coronavírus. Segundo ele, a recuperação de dona Amaci foi surpreendente até para os médicos.

“A minha avó tem 90 anos. Ela começou com uma gripe muito forte e foi para o hospital. Foi medicada e mandaram para casa. Mas, dias depois, ela começou a ter falta de ar e foi internada. Ela teve 100% dos dois pulmões atingidos”, disse Allan.

“A gente pensou que ela não voltava mais para casa. Só que hoje ela não tem mais o vírus. Foi uma recuperação surreal. Os médicos não acreditaram na recuperação dela. Em menos de 15 dias, ela combateu o vírus. Ela está fazendo fisioterapia pulmonar. Tem um médico particular acompanhando ela em casa porque a gente ficou impressionado com a recuperação dela”, contou o outro neto de dona Amaci.

Missa e festa para celebrar recuperação

Apesar de dez integrantes terem apresentado sintomas da Covid-19, todos já estão recuperados de acordo com Raphael Freire. Quando a pandemia for controlada, o objetivo da família é dar uma festa e pedir para uma missa ser rezada.

“A gente se sente abençoado, é uma pandemia que a gente enfrentou. Estão morrendo milhares de pessoas. Minha avó tem 90 anos e está aqui firme e forte. A gente ficou muito preocupado, mas estamos muito aliviados hoje. Se Deus quiser, vamos fazer uma festa para agradecer pela vida dela e vamos mandar rezar uma missa”, disse o empresário.

“É importante a gente dizer que nós pegamos a Covid-19 e conseguimos sair. Estamos bem. Mas temos que levar a sério, não se deve sair para as ruas. Temos que ter cuidado, mas tudo vai passar”.

Fonte: Diario

Jornais do RN

Arquivo de Notícias