China brasileira: Nordeste é nova rota de investimentos de montadoras no país


Projeção da fábrica da JAC na Bahia 
Quando a indústria automobilística começou a ganhar forma no Brasil, lá na década de 1950, centenas de nordestinos migraram para trabalhar nas fábricas do ABC Paulista, em São Paulo. As indústrias se concentraram por lá principalmente pela facilidade de acesso ao Porto de Santos. A bússola mudou. Hoje, são as montadoras que estão se instalando no nordeste, motivadas principalmente pelos benefícios fiscais que o local oferece. Até 2015, a região deverá receber investimentos de mais de R$ 6 bilhões, quantia desembolsada exclusivamente por fabricantes de automóveis e motocicletas.
A maior parte desta bolada sairá do bolso da Fiat. A empresa está investindo R$ 4 bilhões na construção de uma nova fábrica na cidade de Goiania, no Pernambuco. A previsão é de que o complexo fique pronto em 2014. O estado também receberá a marca chinesa de motos Shinerai, que está investindo R$ 130 milhões para construir uma indústria na cidade de Suape. Em Horizonte, no Ceará, a Troller trabalha para erguer uma fábrica. O valor do investimento não foi divulgado.

Mas é a Bahia que promete ser a capital automotiva nordestina. Na cidade de Camaçari serão erguidas a fábrica da chinesa JAC Motors, uma fábrica de motores da Ford e outro complexo industrial para a Jonny, que produz motos. JAC e Ford estão investindo R$ 900 milhões e R$ 400 milhões, respectivamente.

De olho no bolso

Participação nas vendas nacionais de automóveis segundo a Fenabrave
 Fevereiro 2012Fevereiro 2013
Nordeste14,87%15,75%
Sudeste51,14%50,54%
Sul19,66%18,84%
Centro-oeste10,23%10,39%
Norte4,09%4,49%

Apesar do alto investimento, as montadoras que estão fincando raízes no Nordeste querem poupar dinheiro. “Alguns impostos, como ICMS [Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços], são menores para as empresas na região. Além disso, o Nordeste tem uma mão de obra mais barata comparada ao Sul e Sudeste e, de certa forma, mais abundante”, afirma Milad Kalume Neto, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da consultoria Jato Dynamics do Brasil.

Para o presidente do Banco do Nordeste, Ari Joel Lanzarin, o potencial de crescimento da região é outro fato que explica a atração das empresas. “A renda das pessoas está começando a melhorar agora, o poder de compra está aumentando. Do ponto de vista da infraestrutura, existe a facilidade dos portos e ainda há muitos terrenos disponíveis para construção”, explicou o Lanzarin.

“A indústria automobilística atrai companhias de outros setores, como logística. A população se beneficia com os empregos e o desenvolvimento. E esse movimento está acontecendo em outras áreas da indústria. Se levarmos em consideração que o crescimento do Nordeste é acima da média nacional, não é exagero dizer que a região é China brasileira”, concluiu o presidente.


Salão do Automóvel

O setor automotivo está tão aquecido no Nordeste que o local irá receber seu primeiro “Salão do Automóvel”. Entre os dias 25 e 28 de abril, a cidade de Olinda, no Pernambuco, irá sediar o “Nordeste Motor Show”, evento que reunirá 100 expositores e contará com 500 atrações, entre carros, motos e barcos. “Nossa expectativa de público está estima em 50 mil pessoas”, garante Tatiana Menezes, diretora executiva do escritório Nordeste da Reed Exhibitions Alcântara Machado. Responsável pela organização do Salão do Automóvel de São Paulo do ano passado, a empresa tem tradição com eventos ligados ao setor automobilístico. “Percebemos o potencial do Nordeste nesta área. Temos 8 feiras do setor programadas para este ano e queremos chegar a 10 eventos em 2014”, revelou Tatiana.

O Nordeste Motor Show acontecerá no Centro de Convenções de Pernambuco, os ingressos já estão à venda, a partir de R$ 10.

AUTO ESPORTE
POR ALINE MAGALHÃES

NOTICIAS DO RN

Autor & Editor

Somos a Agência de Notícias que há mais de uma década traz as principais Notícias do Rio Grande do Norte, Brasil e Mundo

0 comentários:

Postar um comentário

 
biz.